Jeferson Carvalho e Mario Calixto (à esquerda) após apresentar o CSA ao grupo de trabalho que estuda melhorias de acesso aos portos do Rio

Representantes da Companhia Docas do Rio de Janeiro, da praticagem e de empresas arrendatárias de terminais portuários estiveram na Fundação Homem
do Mar – FHM para conhecer a estrutura do Centro de Simulação Aquaviária – CSA, localizado na capital fluminense.

Acompanhados do coordenador da FHM Mario Calixto e do consultor Jeferson Carvalho, os visitantes percorreram as instalações onde são ministrados cursos e realizados projetos, entre elas as salas dos passadiços, equipadas com simuladores full mission capazes de reproduzir as mais diversas situações vividas por quem trabalha a bordo de uma embarcação.

O grupo também conheceu os simuladores de VTS (sistema de tráfego de embarcações), de combate à poluição no mar, de DP (posicionamento dinâmico) e praça de máquinas, entre outros.

Para o gestor do Sistema de Gerenciamento do Tráfego de Embarcações (VTMIS) do Porto do Rio Marcelo Villas-Bôas, esta foi uma oportunidade de familiarizá-los com os equipamentos disponíveis para a realização de estudos de operações portuárias que visam à melhoria do acesso de grandes embarcações aos portos.

“Alguns colegas não conheciam um centro de simulação. Estamos estudando a vinda do navio de 366 metros de comprimento para o Porto do Rio de Janeiro. Para os terminais poderem operá-lo, precisa haver simulação. É uma análise de risco, que vai envolver uma série de análises em relação a alargamento de canal, modificações no balizamento, dragagem, capacidade dos rebocadores, dos terminais, do cais, do píer suportar um navio desse porte. Então, todos esses estudos têm de ser desenvolvidos”, avaliou.